Queridos amigos, escrevi um livro infanto juvenil em 2013, baseado em fatos reais, mas não tive dinheiro para publicá-lo. Alguns amigos talvez se vejam nele... 
Hoje, consegui publicar online na Amazon.
É o primeiro livro, foi antes de eu começar a faculdade. Mas espero aperfeiçoar minha escrita com outros livros.
Dá uma olhada, e se puderem me ajudar lendo e divulgando, serei muito grata!
Um beijo grande! Obrigada pelo carinho de sempre!
Estou com vergonha... 



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

O BURACO NEGRO DA VIDA

Eu precisava escrever um texto que lembrasse uma cor. E diante de tudo que estamos vivendo nesses dias... deixo meus sentimentos a todos.

O amanhecer está escuro, o céu está carregado por nuvens negras. Parece que quer chorar, parece que ele sofre mais do que nós. Sofre pelos mortos e feridos, sofre pelo que estamos nos tornando. O céu chora.
Ele sai sem se despedir.
Ela corre a fim de não se atrasar para o trabalho.
Ele reclama do engarrafamento.
Ela do metrô lotado.
A noite não estava estrelada, mas mesmo que estivesse eles não reparariam. O mesmo céu os separavam. É noite aqui, mas o Sol não deixou de brilhar em algum lugar.
Ele passava o dia em frente ao computador.
Ela no Smartphone.
Ele não viu o pôr do sol.
Ela, a flor morrendo no jardim.
Dez anos... O mundo está ao contrário.
Ele passa pelo morador de rua sem vê-lo.
Ela sempre senta no mesmo lugar.
Ele assiste as mortes na TV sem dor.
Ela xinga o personagem que errou.
Vinte anos... Eles tomam muita Coca-Cola e café, mas nada de acordar.
Ele olha compulsivamente o relógio.
Ela coloca maquiagem no rosto.
Ele não presta atenção na letra da música.
Ela não entende o sentido das palavras que preenchem o livro.
Cinzas.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

Alan

PROIBIDO PARA MENORES E RELIGIOSOS.
Esse texto foi produzido a partir de um exercício em que eu precisava criar um personagem e ele deveria acordar um dia com algo diferente no corpo.
Contém cenas inadequadas para menores e religiosos.

Alan
Alan era um seminarista alto, magro, loiro e de olhos claros. Era desejado por muitas mulheres. Mas ele era um homem sério, zelava pela santidade, era muito educado, inteligente e organizado.
Seria sua principal característica o autocontrole. Ele adorava ter o controle das situações e nunca perdia o controle de si. Nunca era rude, nunca explodia, nunca fazia nada errado e nunca desobedecia as ordens dos seus superiores. Alan nasceu para ser padre.
Um dia, ele acordou e levou um susto: seu pênis tinha trocado de lugar com seu nariz.
"Como assim? Como isso aconteceu? O que isso significava? Como poderei manter minha santidade com esse pau na minha cara? O que as pessoas pensarão de mim?" Pensou em o que teria feito para receber tal castigo divino.
Ele se confessou, se puniu, se culpou e não se perdoou. Teria que dar um jeito naquilo e a única saída parecia se castrar.
Alan, que sempre foi muito puro, tocou pela primeira vez seu novo nariz, descobriu que a sensação era muito boa, nada se comparava aquilo. Por outro lado, quando viu seu ex nariz, tão pequeno, no lugar do seu órgão sexual, se chocou. Era como se tivesse deixado de ser homem. Mas desde quando ele se importava em ser homem?
O que mais o preocupava era como esconder aquilo. Chamou uma maquiadora achando que daria jeito, mas mesmo uma maquiagem 3D não foi eficaz. No entanto, a maquiadora era linda e Alan percebeu que, como Pinóquio, seu nariz cresceu.
Resolveu chamar uma figurinista, talvez ela tivesse uma boa ideia, mas ela disse que a melhor coisa seria vestir uma fantasia de elefante.
“— Está doida! Como vou andar por aí fantasiado assim? Não é carnaval!”
“—Ué... a tromba você já tem!”
Alan soltou um espirro, espermas saíram do nariz. Se ele soltava esperma por cima, como deveria ser respirar por baixo?
Não havia saída. Ou ele se aceitava do jeito que era, ou ele se castrava.
Ser homem... Ser assexuado...
A última vez que vi Alan foi há cerca de 50 anos quando ainda estudávamos juntos no seminário. Ele me mostrou o acontecido, estava diferente e com uma voz fanha. Ele me contou que tinha feito de tudo pra esconder e não havia conseguido. Decidiu contar para seus superiores e pedir que fizessem uma operação nele.
Lembro que haviam reunido um grande conselho com os homens mais importantes da igreja. Depois disso, não o vimos mais.
Alguns dizem que a santa inquisição voltou e o queimaram por ser um bruxo. Há quem diga que ele foi pra Índia e virou um guru muito adorado. Também ouvi falar que ele virou um ator de filme pornô, deve ter feito muito sucesso em Hollywood. Ou quem sabe virou um sheik árabe cheio de mulheres em seu harém?
Alan era um bom moço, talvez tenha viajado o mundo e aproveitado a vida. Afinal, quem tem a oportunidade de ser diferente? Ele provavelmente andou cheirando as donzelas que encontrou no caminho, deixou-as beijarem a ponta de seu nariz e as fez muito feliz.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments